segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Domínio da Língua



Domínio da Língua
Leitura: Tg 3.2-18

Uma das áreas mais difíceis de dominar, mas de extrema necessidade para o crente, é a língua. Um órgão tão pequeno com tão grande poder. É como o leme de um grande navio, ou o freio que domina o cavalo.

O domínio próprio é parte do fruto do Espírito (Gl 5.22). Portanto, devemos buscar a capacidade do Espírito Santo para dominar a língua, com entendimento (Sl 32.9), pois o homem sem domínio próprio é como uma cidade sem muros, desprotegida (Pv 25.28). O que domina o seu espírito é melhor do que o que toma uma cidade (Pv 16.32).
O crente maduro não é o que sabe falar tudo, mas o que sabe falar só o que convém, na hora certa.
O religioso que não refrear a língua, a sua religião é vã (Tg 1.26). O crente cheio do Espírito Santo não é só o que fala em línguas, mas o que domina a sua língua!

A boca fala do que está cheio o coração

Aquilo que está no nosso coração transborda quando falamos e seremos julgados por nossas palavras (Mt 12.34-37)
O que sai da boca (procedente do coração) é o que contamina o homem (Mt 15.11, 17-19).
Quem habitará no tabernáculo de Deus, usa bem a língua (Sl 15.1-5).
A boca nunca será controlada se a mente (coração) não for (Pv 4.23). Pense em coisas boas (Fp 4.8) e você falará delas.
Muitos crentes só falam da vida alheia, da novela, do governo. Que será que está inundando seu coração? Será que o crente que medita dia e noite (Sl 1) na Palavra de Deus consegue falar desta maneira?

Devemos aprender a falar pouco

Quem fala muito, tem perturbações (Pv 13.3; 21.23). Sempre deixa escapar uma palavra que não gostaria, mas depois de lançada é como uma flecha atirada, não volta atrás.
Deus nos deu dois ouvidos e apenas uma boca. Não seria para falarmos muito menos do que ouvimos?
Devemos estar prontos para ouvir e tardio para falar (Tg 1.19,26).
A palavra dita no tempo certo é preciosa (Pv 25.11)
Não devemos precipitar-nos com a boca. Há o tempo de falar e de ficar calado (Ec 5.2; 3.1,7; Pv 29.20; 12.18; 10.19; 17.27).
É melhor ficar calado do que falar tolice! Uma palavra só vale a pena ser dita, se ela for melhor que o silêncio.
Temos muitos exemplos de homens que se precipitaram, como Jefté, que prometeu oferecer a Deus a primeira pessoa que viesse lhe receber em casa (Jz 11.30,31) e cabou tendo que oferecer a própria filha!

Devemos falar coisas boas

O crente precisa ser fonte de águas doces, que abençoa, que traz uma palavra de ânimo, que fala com sabedoria e amor. Todos vão querer ouvi-lo. Muita gente não quer ouvir os crentes pregando o evangelho, pois sua mensagem só traz condenação. Jesus veio para salvar, não para condenar. A mensagem do evangelho é uma boa nova.
A sabedoria do Senhor: a minha língua falará coisas boas (Pv 8.6-8)
A nossa palavra deve ser temperada, equilibrada (Cl 4.6)
Palavra de edificação e que dê graça ao que ouve (Ef 4.29-32)
Refreie sua língua do mal (1 Pe 3.8-11; Sl 34.12-14)
Devemos evitar a mentira (Pv 12.22; 6.16,19; 11.9-13; Cl 3.8-10; Ap 21.27) e contenda.
Nem por brincadeira devemos fazê-lo (Pv 26.18,19)
Fofoca, contenda, difamação (1 Tm 3.11)
Não intrometido (1 Pe 4.15; 1 Ts 4.11)
Não mexeriqueiro (Lv 19.16; Pv 20.19) que vive fazendo fofoca. Isto é abominável aos olhos de Deus (Pv )
Deus purificou a boca de Isaías antes de usá-lo (Is 6.7)

Devemos ter cuidado com o que dizemos

Há poder nas palavras – poder de vida e morte (Pv 18.21). As palavras causam impressão forte e com elas podemos estimular vida nas pessoas, encorajá-las, ou podemos semear morte, desencorajando-as, amaldiçoando-as e diminuindo seu valor.
O que dizemos aos nossos filhos?
"Esse menino não tem jeito!"
"Essa menina não muda nunca!"
Cuidado para não agirmos como a galinha que bica seus próprios ovos, destruindo sua futura prole, pois a única maneira de fazê-la para com isto é queimando o bico!

Declaramos problemas para nós?
"Quanto mais oro, pior fica!"
"Vou acabar enlouquecendo!"
"Se continuar assim vou adoecer!"
Cuidado com o que dizemos, pois Deus nos ouve, como ouviu a Israel no deserto (Nm 14.2,28-32) e o inimigo procura meios de acusar-nos conforme nós falamos.

Sejamos profetas de Deus e não do diabo! Usemos nossa língua para edificar e não destruir!

Devemos falar com sabedoria e bom-senso (Pv 15.23; 25.11)
Devemos confessar o que cremos (2 Co 4.13; Ez 37.1-4; Rm 10.9,10)
Abençoe-se em Deus: declare a benção do Senhor sobre sua casa e sua família (Is 65.16-18)
Acredite e confesse: a mulher hemorrágica, apesar das suas muitas dificuldades, acreditou e confessou que Jesus tinha benção para ela (Mc 5.28).
Os crentes e o ministério devem ter palavra fiel, sem contradição (Mt 5.37; 1 Tm 3.8)

Devemos agradecer e não murmurar

Jesus ordenou: não murmureis (Jo 6.43). Aqueles que murmuraram são exemplos para nossa advertência (1 Co 10.9-11)
Não devemos murmurar, mas agradecer pelo que Deus tem nos dado (1 Pe 2.1,2).
A murmuração demonstra incredulidade e desonra a Deus.
Devemos dar ao Senhor ações de graças e não murmuração (1 Ts 5.18; Ef 5.20; Fp 4.6; 2.14,15).
Gratidão e não palavras torpes (Ef 5.3,4)
Elias no zimbro murmurou (1 Rs 19.4,5). Tantas bênçãos e vitórias, mas ele só soube murmurar!
Agradeça pelas pequenas coisas (Zc 4.10): o pão de cada dia, a saúde, o ar que respiramos, etc.
Recebe o salário e diz: "a mixaria", "a miséria". Diga: "a minha abençoada renda".

Não devemos julgar

Jesus nos advertiu: Não julgueis (Mt 7.1,2; Rm 2.1). Quando julgamos, nos colocamos na posição de juízes e acima daqueles a quem julgamos.
Não faleis mal uns dos outros. Somos juízes ou cumpridores? (Tg 4.11)
Tires o dedo que ameaça e não fale palavras vãs e o Senhor te abençoará (Is 58.9,13,14)
Escândalos virão, mas devemos perdoar que é nossa obrigação (Lc 17.1-10).
Existem duas palavras no grego que chamam nossa atenção: Diábolos (acusador) é usada para designar a obra do inimigo e Parákletos (ajudador) para falar da obra do Espírito Santo. Podemos fazer a obra do Espírito Santo, ajudando, encorajando, ou a do inimigo, apontando, acusando, julgando. É uma escolha pessoal.

Se tivermos dificuldades para dominar a língua, devemos orar como o salmista: "Põe guarda, SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios" (Sl 141.3).


Autor: Pr. Kleber Maia

Nenhum comentário: